Coxa bate Atlético e sobe

O Coritiba venceu por 1 a 0 o Atlético Paranaense, nesse sábado (dia 3) à tarde, no Couto Pereira, em partida pela 4ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Coxa é o vice-líder, com nove pontos, atrás do Corinthians, com dez. A vice-liderança é provisória. Até o final da rodada, na segunda-feira, pode perder posições na tabela. O Furacão é o penúltimo colocado, com apenas um ponto.

A vitória consagra o bom trabalho do técnico Pachequinho, que conseguiu armar um Coritiba criativo no meio-campo, organizado defensivamente e forte no ataque.

Apesar da derrota, o Atlético teve bom desempenho no primeiro tempo, confirmando a evolução da equipe desde a chegada do técnico Eduardo Baptista. No segundo tempo, porém, as substituições do treinador tiveram resultado negativo, com desorganização defensiva e perda de poder ofensivo.

O clássico recebeu 15.442 pagantes, bem abaixo do Atletiba da final do Paranaense 2017, no Couto, que teve público de 32.869. O jogo desse sábado ocorreu no mesmo horário da final da Liga dos Campões da Europa, transmitida em TV aberta.

FATOR CAMPO
Como mandante, o Coritiba teve até agora em 2017 o total de 9 vitórias, 2 empates e 1 derrota. Como visitante, o Atlético somou no ano 3 vitórias, 5 empates e 8 derrotas.

RIVALIDADE
Os dois clubes já se enfrentaram 336 vezes. Foram 132 vitórias do Coxa, 98 empates e 106 vitórias do Furacão.

PACHEQUINHO
O técnico Pachequinho tem 17 partidas pelo Coritiba em 2017, com 11 vitórias, 2 empates e 4 derrotas.

BAPTISTA
Foi o terceiro jogo do técnico Eduardo Baptista no comando do Atlético. Agora ele soma 1 vitória, 1 empate e 1 derrota.

ESCALAÇÃO DO CORITIBA
O Coritiba não tinha Anderson, Rodrigo Ramos, João Paulo, Walisson Maia e Iago, todos em recuperação. O esquema tático foi o 4-4-2 dos últimos jogos, com Tomas (direita) e Neto Berola (esquerda) como “extremos”. Alan Santos e Galdezani eram os meias centrais.

ESCALAÇÃO DO ATLÉTICO
O Atlético repetiu o time usado na estreia do técnico Eduardo Baptista, contra o Flamengo. Seguiram fora da equipe, em recuperação: João Pedro e Carlos Alberto. O esquema tático foi o 4-1-4-1, com Otávio como único volante. Rossetto e Lucho eram os meias centrais.

PRIMEIRO TEMPO
O primeiro tempo teve longos períodos de equilíbrio, mas o Atlético acabou com mais posse de bola (58%) e atacando mais. Foram quatro duas boas jogadas ofensivas do time rubro-negro nesse período, contra duas do Coxa. O Furacão mostrou qualidade na troca de passes pelo meio, no trabalho de pivô de Grafite e nas arrancadas de Sidcley. A equipe só criou em lances individuais de Neto Berola.

SUBSTITUIÇÕES
No intervalo, o Atlético trocou de centroavante: saiu Grafite e entrou Ederson. O Coxa mudou na meia-esquerda: saiu Neto Berola e entrou Rildo. Aos 11, Baptista tirou Nikão e colocou Douglas Coutinho. Ao mesmo tempo, Pachequinho substituiu Tomas por Tiago Real. Os esquemas táticos dos dois times não mudaram.

O GOL DA VITÓRIA
O jogo recomeçou com o Coritiba melhor, com Kleber construíndo boas jogadas. O gol do Coxa saiu aos 16 minutos. Tiago Real cruzou, em cobrança de falta, e Márcio marcou de cabeça, ganhando no alto de Thiago Heleno.

MUDANÇA TÁTICA
Depois do gol, aos 22, o Atlético tirou Rossetto e colocou Felipe Gedoz. O esquema mudou para o 4-4-2, com Otávio e Lucho centralizados. Gedoz e Coutinho ficaram como extremos. No ataque, Pablo e Ederson. O time reagiu mal às mudanças e ficou desorganizado em campo. Além disso, parece ter pesado o desgaste físico da sequência de jogos. O Coxa ampliou seu domínio na partida.

ESTATÍSTICAS
O Coritiba teve 49% de posse de bola, 11 finalizações (5 certas), 74% de precisão nos passes e lançamentos e 6 escanteios. O Atlético somou 8 finalizações (2 certas), 77% de precisão nos passes e lançamentos e 6 escanteios. Os dados são do WhoScored.

CORITIBA 1 x 0 ATLÉTICO
Coritiba: Wilson; Dodô, Márcio, Werley e William Matheus; Alan Santos, Galdezani, Tomas Bastos (Tiago Real) e Neto Berola (Rildo); Henrique Almeida (Jonas) e Kleber. Técnico: Pachequinho
Atlético: Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio; Nikão (Douglas Coutinho), Rossetto (Felipe Gedoz), Lucho e Pablo; Grafite (Ederson). Técnico: Eduardo Baptista
Gol: Márcio (16-2º)
Cartões amarelos: Otávio, Pablo (A). Galdezani, William Matheus, Dodô (C).
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Público: 15.442 pagantes (16.456 total)
Renda: R$ 423.190,00
Local: Couto Pereira

About the Author

Osires Nadal Júnior

Locução em autódromo, estádio, rádio, tv, palestra, cerimonial, formatura. Pauteiro, reporter, produtor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *