Os cronômetros foram abertos para o início de mais uma temporada da Sprint Race, que neste ano, chega a sua oitava edição. A prova é tradicional na cidade de Londrina, na região Norte do Paraná, e nos dias 22 a 24 de março, terá a abertura do calendário com o jovem Francesco Franciosi no comando do SR #73, entre os novatos da categoria PRO, e com Caê Coelho, na classe GP, a bordo do SR #55.

O piloto Francesco Franciosi, de 18 anos completos no último dia 16 de março, representará a pujante cidade de Luís Eduardo Magalhães, na Bahia. Com uma família que tem um vasto histórico no automobilismo, principalmente em provas off-road, como velocidade na terra, Rally dos Sertões, Dakar e Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, herdou principalmente do pai [Ubiratan] o amor pelo esporte e chega para brilhar também nas pistas com a Sprint Race.

Francesco começou a competir aos 13 anos no Kart Cross, onde conquistou sua primeira vitória no automobilismo da terra. Depois de três anos migrou para o Auto Cross onde esteve por dois anos na categoria conquistando vários pódios e vitórias, em provas normais e de longa duração.  “No final do ano passado resolvi participar de uma etapa de uma categoria no asfalto, onde fiz uma experiência na Fórmula Inter, em Interlagos, consegui a pole e a vitória da etapa. Então, decidi entrar para o asfalto e escolhi a Sprint Race”, contou.

“Fiz um teste de cerca de cinco voltas em Interlagos, agora no início do ano, e gostei muito do carro. Pretendo ficar entre os cinco da minha categoria na primeira corrida e na temporada, isso já seria uma grande conquista nesse ano de puro aprendizado”, assegura Franciosi que leva consigo a marca Case Maxum.

Caê Coelho irá compor o grid da Sprint Race pelo quarto ano consecutivo levando as cores da Vivamil, Constantim e We Credit. “A expectativa é muito positiva, melhor possível, até por conta de ter sido um ano e ter terminado entre os três primeiros na temporada passada, com um resultado muito importante para mim. Eu acredito que daqui para frente a tendência é melhorar cada vez mais, e tentar adaptar as mudanças realizadas no carro, principalmente a questão de termos agora um Paddle Shift”, destaca o piloto paulistano.

“Acredito que também teremos um campeonato muito mais competitivo, com algumas pistas novas. E isso tudo contribui para uma expectativa e ansiedade grande. Estou muito feliz de estar a Sprint e a perspectiva é terminar um campeonato ainda melhor que do ano passado”, conclui Caê que na sua trajetória na carreira angariou experiência com participação na GT em 2011 e Porsche Challenge em 2012 e 2013.

Related Posts

Facebook Comments