Parabéns Londrina

Osires Nadal Júnior
O Londrina chega aos 60 anos revigorado e com a convicção que o futuro tem tudo para ser ainda mais vitorioso já que as dívidas, o nome sujo e o descrédito ficaram para trás.
Há pouco mais de seis anos, o alviceleste vivia um dos piores momentos da sua história e o clube mais tradicional do interior do Paraná chegou a beira de fechar as portas. Com passivos trabalhistas, fiscais e tributários na casa de milhões e o time rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Paranaense, as alternativas para uma recuperação eram quase nulas, até porque o LEC atravessava uma crise administrativa e financeira por causa da incompetência da cartolagem.
A solução veio através de uma medida inédita no Brasil: a intervenção judicial do clube, a pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT). “No auge da crise, nos reunimos em uma igreja da Avenida Madre Leônia para deliberar se fechava ou não o clube. Não tinha dinheiro para arrebentar um cadeado. Custava R$ 50 e o LEC não tinha”, relembra o procurador do MPT, Heiler Natali, autor do pedido de intervenção, em outubro de 2009.
A Justiça destituiu o presidente da época, Peter Silva, toda a diretoria, o Conselho Deliberativo e cancelou a eleição para o novo presidente com objetivo de controlar todo dinheiro que entrava e saia dos cofres do clube.
Uma comissão de londrinenses, encabeçada pelo advogado Carlos Roberto Scalassara, foi montada para redigir o novo estatuto do clube e a venda da sede campestre foi a alternativa para quitar a dívida trabalhista, que passava dos R$ 6 milhões. “Não fazia sentido em manter a sede, totalmente destruída e na iminência de fechar, com um custo vegetativo de R$ 60 mil mensais só de manutenção. De qualquer forma a sede seria vendida mesmo se o LEC fechasse as portas”, aponta o procurador.
Controlar as contas e pagar as dívidas eram as tarefas menos árduas. Difícil mesmo era recolocar nos trilhos o futebol, carro-chefe do clube. A saída encontrada foi buscar um parceiro. A primeira tentativa foi desastrosa. O grupo Universe ganhou a concorrência contra a SM Sports.
“Era impossível justificar, minimamente, para quem quer que fosse, a preferência pela SM diante de ofertas que em alguns itens do contrato eram três, quatro vezes maior. Na ocasião não havia nada que indicasse que o grupo Universe não tivesse condições de assumir”, justifica Natali.
Na prática nada funcionou. O grupo se mostrou incompetente para gerir o futebol, o time quase foi rebaixado para a terceira divisão em 2010 e novas dívidas foram deixadas em nome do LEC. O rompimento do acordo abriu espaço para que a SM assumisse o departamento de futebol em janeiro de 2011.
Os cinco anos seguintes se tornaram um dos períodos mais vitoriosos da história alviceleste com o clube saindo da Divisão de Acesso e alcançando à Série B do Campeonato Brasileiro, disputado pela última vez em 2004. Some-se a isso o título paranaense em 2014, depois de 22 anos.
“Hoje, nenhum clube de médio ou grande porte do futebol brasileiro tem as finanças tão equilibradas e organizadas como o Londrina”, garante o representante do MPT.
O clube zerou a dívida trabalhista, quitou os débitos com o município e o passivo com o governo federal está refinanciado através da Timemania, e, em até dois anos estará quitado. A intervenção total se tornou parcial em 2011 e tem prazo para acabar. “Vai acontecer em 2016, em algum momento. As condições estão dadas para que isso de alguma forma possa ser levantada. Com o LEC na Série B, fica difícil de sustentar que o clube precisa de ajuda”, ressalta o procurador.
Quando escreveu o despacho que determinou a intervenção no clube, o juiz da 6ª Vara do Trabalho, Reginaldo Melhado, deixou claro a necessidade de preservar o nome e a credibilidade do clube “o maior patrimônio histórico e cultural do município”. “Isso legitimou a participação do MPT neste processo. A história do LEC se confunde com a história do município, quer pelo nome, quer pela idade. É impossível falar da cidade sem falar do Londrina”, aponta Heiler Natali.
Nascido em Santa Catarina, pouco aficionado por futebol e torcedor eventual do Avaí, o procurador aprendeu a gostar e a respeitar o alviceleste. “Ser testemunha do renascimento deste patrimônio histórico, desta paixão que movimenta a cidade valeu a pena demais. Eu realmente faria tudo de novo, se pudesse, com certeza”.
Lucio Flávio Cruz
Osires Nadal Júnior

Locução em autódromo, estádio, rádio, tv, palestra, cerimonial, formatura. Pauteiro, repórter, produtor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

0 Comentários
voltar ao topo