O Coritiba até saiu na frente, e até chegou a empatar após ter levado dois gols (ambos de pênalti). Mas acabou derrotado pela Chapecoense por 4 a 3, na noite desta quarta-feira (1), em Curitiba. A partida era válida pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o jogo, o diretor coxa-branca José Fernando de Macedo anunciou que a situação do técnico Gilson Kleina estava insustentável e disse que estava fora. Uma reunião nesta quinta-feira (2) deverá oficializar a decisão.

Kleina escapou de ser demitido na segunda-feira (30), ao contrário do diretor de futebol Valdir Barbosa. Contudo, a diretoria havia indicado que sua permanência dependeria da partida desta quarta-feira. Antes mesmo do jogo acabar, a torcida gritava “fora Gilson Kleina” e “fora Bacellar”, em referência ao presidente coxa-branca.

O resultado deixou o Coritiba com apenas 4 pontos em cinco rodadas no Brasileirão. A equipe vai terminar a rodada na zona de rebaixamento, já que será ultrapassada por Ponte Preta ou América-MG, que jogam nesta quinta-feira (2).

Foi a primeira derrota do Coritiba como mandante no Brasileirão. Esta partida foi realizada na Vila Capanema, estádio do Paraná, porque o Couto Pereira está mexendo no gramado. Nos outros jogos em casa, o time derrotou o Cruzeiro e empatou com o São Paulo.

No próximo sábado (4), às 20h30, o Coritiba volta a campo. Enfrenta o Corinthians, no Itaquerão (em São Paulo).

Jogo

O Coritiba já não tinha Ceará e Alan Santos (machucados) e Kleber (suspenso), que deram lugar a Dodô, Thiago Lopes e Ortega. Kleina aumentou o pacote de mudanças ao sacar o lateral Carlinhos e o atacante Leandro, para as entradas de Cesar Benitez e Negueba. Com isso, o time iniciou a partida num 4-2-3-1. A Chapecoense jogava num 4-3-3.

O jogo começou truncado e os times demoraram nove minutos para conseguir uma finalização a gol. Em compensação, essa primeira finalização entrou: Rafael Marques fez 1 a 0, de cabeça, para os coxas-brancas. O gol fez com que os times perdessem a inibição. A Chape foi para cima e assustou em alguns cruzamentos. O Coritiba recuou e passou a apostar em contra-ataques. Mas, de tanto recuar, cedeu o empate. Bruno Rangel foi derrubado por Juninho na área – o zagueiro coxa-branca já havia cometido um pênalti na partida anterior, contra o Grêmio. Bruno Rangel cobrou o pênalti e empatou, aos 24.

Aos 37, o árbitro paraibano Pablo dos Santos Alves se envolveu em um lance polêmico. Em uma jogada aérea, Marcelo tentou finalizar de bicicleta e acertou o braço de Rafael Marques, que havia subido com ele. O árbitro deu pênalti. A TV, contudo, mostrou que Marcelo errou a bola (e acertou o zagueiro) e a bola bateu no ombro do coxa-branca – além disso, poderia ter dado jogo perigoso do jogador da Chapecoense. Três minutos de reclamações depois, Marcelo Rangel fez 2 a 1. “Todos viram o lance. A bola nem tocou a minha mão. O cara me acertou nas costas e o juiz deu pênalti. Arbitragem brasileira é isso aí”, queixou-se Rafael Marques.

Na primeira etapa, o Coritiba acertou menos o gol – sete chutes (três certos) contra oito (seis certos) da Chape – e teve menos posse de bola – 40% a 60%.

Para o segundo tempo, Kleina trocou Thiago Lopes e Negueba por Vinicius e Evandro. O time passou a usar mais as laterais e os lançamentos. Mas, como o gol não saía, o treinador tentou sua última cartada aos 18 minutos, com Ruy no lugar de Cesar Gonzalez. Aos 22 minutos, Ruy lançou, Dodô cruzou e Ortega empatou o jogo. Foi o primeiro gol do atacante paraguaio em 12 partidas (5 delas como titular) pela equipe neste ano.

Depois disso, o Coritiba tentou o gol da virada na base da raça. A Chapecoense, por sua vez, planejou segurar o empate. Mas, quando se propôs a atacar, teve sucesso: Bruno Rangel marcou, de cabeça, o terceiro gol, aos 37 minutos. Até o fim, o time paranaense tentou erguer bolas à área para tentar o empate, mas fracassou. Para piorar, Lucas Gomes arrancou sozinho e marcou um golaço, aos 44 minutos, marcando 4 a 2. Juninho descontou aos 49 minutos, mas não evitou a derrota coxa-branca.

Ao fim da partida, o Coritiba somava 15 finalizações (8 certas), contra 13 (8 certas) da Chapecoense. O time paranaense teve 51% de posse de bola e 76% de eficiência nos passes, segundo dados do Whoscored.

 

CORITIBA 3 x 4 CHAPECOENSE

Coritiba

Wilson; Dodô, Rafael Marques, Juninho e Cesar Benítez; João Paulo, Thiago Lopes (Vinícius), Juan, César González (Ruy) e Negueba (Evandro); Ortega.Técnico: Gilson Kleina

Chapecoense

Danilo; Gimenes, Marcelo, Thiego e Dener; Josimar (Moisés), Cléber Santana e Hyoran (Arthur Maia); Lucas Gomes, Bruno Rangel e Silvinho (Lawrence). Técnico: Guto Ferreira.

Gols: Rafael Marques (9-1º), Bruno Rangel (24 e 40-1º), Ortega (22-2º), Bruno Rangel (37-2º), Lucas Gomes (44-2º), Juninho (49-2º)

Cartões amarelos: Negueba, Rafael Marques, João Paulo, Bruno Rangel, Danilo, Hyoran, Vinícius, Silvinho

Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB)

Público: 2.852 (pagante), 2.979 (total)

Local: Vila Capanema, quarta-feira

 

Related Posts

Facebook Comments