O Paraná enfrenta o Náutico neste sábado (11), às 16 horas, na Arena Pernambuco, pela oitava rodada da Série B , para sustentar a nova fase do clube à torcida paranista.

Na última quinta-feira (9), o Tricolor promoveu o lançamento da camisa da nova fornecedora de materiais esportivos, a Topper – que será estreada no Recife – e também apresentou o novo plano de sócios com festa para cerca de 3.000 mil torcedores na Vila Capanema. Para aproveitar a estrutura e os telões, os torcedores poderão assistir ao jogo contra o Náutico no estádio com entrada gratuita.

Depois do “maior evento da história do clube” realizado na Vila, o clima de otimismo nos bastidores do Paraná precisa ser comprovado dentro de campo. O time do técnico Claudinei Oliveira sofrerá maior pressão da torcida, e da própria diretoria, para brigar pelo acesso.

seis jogos sem perder, porém, com três empates consecutivos, o Tricolor ocupa a 11ª posição com 10 pontos e tem a chance de colar no G4. O Náutico, que é o quarto colocado, tem apenas três pontos a mais do que a equipe de Claudinei. O problema para o Tricolor será quebrar a invencibilidade do Timbu na Arena Pernambuco. Os comandados de Alexandre Gallo venceram as três partidas em casa e não perdem há quatro rodadas da Segundona.

 A missão paranista se torna ainda mais complicada pela série de desfalques para o duelo. Lesionados, o meia Nadson, os volantes Jean e Lucas Otávio, além do lateral-esquerdo Rafael Carioca nem sequer viajaram com a delegação tricolor. Já o volanteAnderson Uchôa e o meia Válber serão reavaliados antes da partida para saber se reúnem condições. No empate sem gols com o Atlético-GO, na última terça-feira (7), ambos saíram de campo no intervalo. O primeiro, com uma lombalgia; o segundo, com uma lesão muscular na coxa direita.

Com isso, o zagueiro Basso ganhará uma nova oportunidade improvisado como volante e Murilo Rangel pode aparecer caso Válber não jogue. O Tricolor ainda poderá contar com Henrique, que teve seu nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF no fim desta sexta-feira (10). Destaque do time em 2014, o atacante volta ao clube após passagens sem sucesso por Atlético-MG e Bahia. O atacante Robson, por sua vez, volta após cumprir suspensão automática.

“Atrapalha a gente não poder manter a mesma equipe. É algo que cria um entrosamento e dá confiança aos atletas”, admite Claudinei. “A gente estava fazendo um levantamento, e todos os jogos que vencemos na temporada tivemos o Válber, Nadson e Robson, pelo menos dois destes em campo. Mas a gente confia nos jogadores que estão entrando para fazermos um bom resultado”, completa.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/06/10/Esportes/Imagens/Cortadas/ficha_prc-kaRC-U2038425300710B-1024x1151@GP-Web.jpg

Related Posts

Facebook Comments