Handebol: paranaense quer presidência da CBHd

Handebol: paranaense quer presidência da CBHd

O candidato à presidência da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) Edgar Hubner inscreveu, na última sexta-feira (dia 15), a chapa “Transforma Handebol”. A Assembleia Geral Ordinária que irá definir o novo comando da entidade para o período 2021/2024 está marcada para 1º de fevereiro, em Manaus (AM). Além de Hubner, estão confirmados na diretoria da chapa Luiz Celso Giacomini (1º vice-presidente), Iberê Caldas Souza Leão (2º vice-presidente) e Rita de Cássia Orsi, que desenvolverá projetos e ações no handebol feminino. 

“Desde o momento que começamos a conversar ficou claro o nosso compromisso. Nós queremos o melhor para o handebol e temos propostas para atingir todas as regiões. Hoje nós somos quatro pessoas, mas temos muitas outras colaborando, torcendo e que se preocupam com a modalidade”, afirma Edgar. “A nossa preocupação é fazer algo efetivo, com a experiência dentro da área técnica e, principalmente, na área de gestão esportiva. Esse é o nosso compromisso e o desejo de toda a comunidade do handebol brasileiro. Que a gente consiga colocar dentro de um grupo, de uma estrutura de trabalho pessoas que tenham essa capacidade”, completa o dirigente. 

Com vasta experiência na gestão esportiva federal, estadual e municipal e ex-técnico da seleção brasileira masculina júnior e adulta, tendo conquistado a classificação para os Jogos Olímpicos de Barcelona (1992) e Atlanta (1996), o 1º vice-presidente Luiz Celso Giacomini faz questão de destacar o nome de Edgar Hubner.   

“Quero dizer para os membros do Colégio Eleitoral que temos o candidato que tem a maior amplitude possível dentro do esporte brasileiro. O Edgar realmente merece nosso respeito, carinho e apoio. Ele conhece a Federação Internacional, é um nome que certamente vai discutir conosco e com sua equipe os caminhos mais adequados para o handebol do Brasil. E acredito que as demais federações e membros do Colégio Eleitoral também nos apoiarão e o handebol sairá fortalecido”, enfatiza Giacomini, ex-presidente da Federação Gaúcha. 

Graduado em Educação Física pela Universidade Federal de Pernambuco, mestre em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto e doutorado em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento (UFPE), além de treinador da seleção brasileira, o 2º vice-presidente Iberê Caldas aposta no projeto para a revitalização da modalidade. 

“Estou muito feliz e disposto a contribuir com muita competência e transparência na nossa gestão. Vamos fomentar o esporte junto às federações, fazer um trabalho comunitário e de detecção de talentos junto às seleções, desde as categorias de base. Uma das preocupações da nossa chapa é o handebol escolar. Vamos descobrir novos talentos a partir das aulas de educação física. Nós temos que crescer a partir da escola”, diz Iberê.     

Com 35 anos dedicados à modalidade como jogadora, técnica e dirigente, Rita Orsi terá a responsabilidade de desenvolver projetos e ações no handebol feminino com o Projeto Mulheres no Handebol (destinado a árbitras, atletas, dirigentes, técnicas, equipes multidisciplinares etc), Acampamentos para a base entre outros. 

“É uma responsabilidade muito grande representar o universo da mulher e venho para somar nesse time. Estamos formando um grupo maravilhoso, gente da mais alta capacidade técnica, administrativa e de gestão. Nossa chapa vem para compor, ouvindo e empoderando as pessoas, com muita transparência, impessoalidade e responsabilidade. Temos uma luta árdua pela frente e o handebol precisa de todos nós. Peço que o Colégio Eleitoral acompanhe nosso plano de ação e desenvolvimento porque temos um plano estratégico para atender as necessidades do handebol de quadra e de praia. Cada um de nós tem o compromisso de transformar a modalidade”, analisou Rita. 

Hubner tem até o momento a seu lado as federações de Mato Grosso do Sul (MS), Paraíba (PB), Piauí (PI), Rio de Janeiro (RJ), Rio Grande do Norte (RN), Rio Grande do Sul (RS), Santa Catarina (SC), e a Associação Beneficente Giuliano Esporte Clube (PI), membros do Colégio Eleitoral, bem como a comunidade esportiva no Brasil e no exterior. 

“Mais de 360 representantes apoiam nossa candidatura. Temos que entender o Brasil como um universo único, respeitadas as dificuldades e diferenças, entender que o handebol é feito na quadra e na praia. Ou seja, nós temos duas modalidades representativas e que são respeitadas em nível internacional. O nosso compromisso é conseguir o melhor para a modalidade, federações, dirigentes, técnicos, atletas. Temos propostas para atingir todas as regiões”, analisa Edgar.  

“Um ponto fundamental que tenho discutido com a comunidade é que o handebol de praia precisa ser inserido nas competições escolares, tanto nos estados como nacionalmente, para que no futuro possamos evoluir para Campeonatos Sul-Americanos, Jogos Pan-Americanos e Olímpicos – finaliza Edgar, acrescentando a necessidade de ter um espaço para a categoria máster. 

O candidato  

Professor de formação, Edgar Hubner (CREF 0008-G/PR) foi atleta, árbitro de handebol e técnico da seleção brasileira masculina juvenil de handebol, além das seleções de Curitiba e do Paraná. Como dirigente, presidiu a Federação Paranaense de Handebol entre 1992 a 1994. A decisão de concorrer à presidência da CBHb partiu do apoio e incentivo de diferentes segmentos do handebol brasileiro, manifestados em reuniões com membros do Colégio Eleitoral e em carta aberta publicada no mês de dezembro.  

Formado em Educação Física (UFPr) e Fisioterapia (PUC-Pr), possui Licença Especial em Esportes pela Universidade Livre de Bruxelas e Master em Gestão Esportiva pelo Comitê Olímpico Internacional / Universidade de Poitiers (França). Também é membro do Conselho de Administração da Confederação Brasileira de Canoagem.  

Presidente do Comitê Organizador durante as 15 edições da Curitiba International Handball Cup, considerada pela IHF um dos cinco maiores torneios do mundo, Edgar Hubner foi Diretor de Lazer da Paraná Esporte e integrou o Comitê Olímpico do Brasil durante 13 anos, período em que foi diretor geral dos Jogos Escolares da Juventude por 13 anos, e dos Jogos Universitários Brasileiros, por oito anos.  

Com participação nos Jogos Olímpicos de Atlanta 1996, Sidney 2000 e Atenas 2004, trabalhou pelo COB em três edições dos Jogos Olímpicos (2008, 2012, 2016), três Jogos Pan-Americanos (2007, 2011, e 2015) e dos Jogos Sul-Americanos. (2014), Jogos Sul-Americanos de Praia (2013) e Jogos Sul-Americanos da Juventude (2013). Ainda pelo Comitê Olímpico do Brasil esteve à frente de mais de 30 eventos internacionais de diferentes modalidades no Canadá, China, México, Peru e Tailândia.  

Ex-membro da Comissão Técnica da Organização Desportiva Sul-Americana, atuou como Assessor Internacional do Ministério de Esportes da Bolívia (2018) e foi diretor da cidade do Rio de Janeiro na Copa América de Futebol (2019).  

Co-autor do capítulo de handebol no livro Atlas do Esporte no Brasil e autor do livro “Mini-Handebol – 6 a 10 anos”, proferiu palestras na Argentina, Chile, Inglaterra, Malásia, Sérvia, abordando a gestão esportiva, esporte escolar e categorias de base, Hubner, entende ser fundamental o processo da formação / capacitação / por meio da criação de ferramentas e projetos visando a atingir, técnicos, dirigentes, árbitros e equipes multidisciplinares como forma de crescimento da modalidade.  

Related Posts

Facebook Comments