O Coritiba joga sob pressão contra o Santos, neste domingo (21), às 11 horas, naVila Belmiro, pelo Brasileiro. Cobrança que recai, especialmente, sobre o trabalho do técnico Gílson Kleina.

Na última quinta-feira (19), o Coxa foi eliminado na Copa do Brasil pelo Juventude, em pleno Couto Pereira, logo na segunda fase da disputa. Revés que esgotou a paciência da torcida, que gritou “vergonha” na saída de campo.

O adeus no torneio nacional foi o terceiro episódio negativo da temporada, que ainda nem chegou a metade. Na Primeira Liga, o Alviverde não passou da fase classificatória. E no Estadual acabou com o vice, massacrado pelo rival Atlético em duas partidas.

“Eu me sinto culpado por essa pressão sobre ele, que não tem culpa sozinho. A culpa é de todos nós. A pressão que a torcida fez depois do jogo eu senti como se fosse para mim, apesar de não terem falado o meu nome”, comenta Allan Santos.

Apesar dos resultados ruins, o presidente Rogério Bacellar garante Kleina no comando. “Não mudou nada. Estamos verificando, uma derrota, um empate, não é que seja normal, mas acontece com todos os clubes”, declara o dirigente.

A equipe ainda não contará com os meias Juan e Dudu, além do lateral-direito Ceará. Em compensação, Luccas Claro, após três rodadas fora, está à disposição. O meia Vinícius, que deixou o jogo contra o Juventude com dores nas costas, também fica disponível.

Para dificultar, o Peixe contará com o retorno de seus principais jogadores. O meia Lucas Lima e o atacante Ricardo Oliveira estão recuperados de lesão e devem retornar ao time. Lucas Lima, aliás, pode fazer sua despedida, em negociação com clubes europeus.

Além da dupla, o atacante Gabriel está confirmado pelo técnico Dorival Júnior. O trio foi convocado por Dunga para representar o Brasil na Copa América, em junho, nos Estados Unidos – os três vão desfalcar os paulistas por nove jogos.

“São jogadores de grande qualidade e por isso estão na seleção brasileira. Já joguei com o Lucas Lima e com o Gabigol [Gabriel] e seria muito bom se eles não pudessem jogar. Mas a gente não pode escolher o adversário”, analisa o volante Alan Santos.

O retrospecto do Coxa na Vila Belmiro também é outro motivo de preocupação. Em 14 duelos disputados pelo Nacional, foram nove derrotas, três empates e duas vitórias – a última delas em 2011, por 3 a 2.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/05/20/Esportes/Imagens/Cortadas/coritiba 22-kzLG-U20275960849m4H-1024x1180@GP-Web.jpg
Fonte: GAzetadoPovo

Related Posts

Facebook Comments