Provas longas, o diferencial

Provas longas, o diferencial

Todo mundo gosta do arroz com feijão de cada dia, mas um cardápio diferente de vez em quando agrada qualquer um, certo? Não haveria por que ser diferente em quaisquer outras coisas da vida, e inclua-se aí o automobilismo regional do Brasil. Pilotos e equipes veem-se envolvidos com a preparação e a atuação nas etapas de seus campeonatos durante todo o calendário, ano a ano, mas sempre reservam atenção especial para as corridas festivas de suas praças. Já vi nessas provas de endurance casos de desafetos declarados, falo de pilotos, acabarem com suas rusgas num abraço efusivo na fila da inscrição, à porta da secretaria. Iriam pilotar o mesmo carro, levar as bobagens do passado para a pista não seria bom negócio a ninguém. O esporte tem dessas coisas, às vezes também aproxima as pessoas. E são muitas, via de regra com longa duração. Hoje falo rapidamente de quatro delas, que nos próximos meses vão proporcionar essas coisas do esporte, normalmente coisas boas.

O Rio Grande do Sul é pródigo em provas longas. E, pondo fim de um hiato de 16 anos, volta à cena a prova Seis Horas de Guaporé. Falei do assunto no meu blog pessoal alguns meses atrás, quando a corrida ainda estava marcada para 20 de agosto. No fim das contas, foi reagendada e confirmada para 10 de setembro. A Associação Guaporense de Automobilismo viabilizou bastantes subsídios para atrair pilotos e equipes. Deu certo. Serão pelo menos 40 carros de turismo (não haverá protótipos, uma particularidade) subdivididos em seis categorias e, segundo o regulamento próprio do evento, todos os que receberem a bandeira quadriculada terão seus pilotos no pódio. E ainda vão sortear um curso de pilotagem para um dos torcedores presentes, um prêmio muito legal – seria um motivo a mais a me pôr no farto grupo, não fosse o compromisso em outro lugar, que me impediu inclusive de gestionar a participação nas Seis Horas. Acerca do automobilismo gaúcho, caberia citar ainda as 12 Horas de Tarumã. Essas merecerão abordagem particular num próximo bate-papo.

Na Cascavel de Ouro, assunto que tenho abordado bastante nas últimas semanas, o recebimento de inscrições começou em ritmo frenético. Em dez dias as equipes já preencheram metade do limite máximo de 50 vagas no grid da 30ª edição, confirmada para 23 de outubro. São duplas e trios, que vão correr por quatro horas com carros de Marcas 1.6 em busca dos R$ 33 mil em premiações que serão distribuídos. A valorização da vitória, além da fatia de R$ 20 mil do total de prêmios em dinheiro, prevê participações dos pilotos que integrarem a dupla ou o trio que receber a bandeirada em primeiro na liga norte-americana Fara USA, com um modelo Ginetta G40 do Team Ginetta, e na Sprint Race Brasil, na primeira etapa de 2017. E a corrida, tal qual já ocorreu nas duas últimas edições, terá transmissão ao vivo pela TV e pela internet, providências assinadas pela CATVE, que é uma das afiliadas paranaenses da TV Cultura. Podem pintar novidades nos próximos dias, inclusive, no que diz respeito à transmissão pela televisão.

Ano de gala também no Norte do Paraná, onde as 500 Milhas de Londrina chegam à 25ª edição. História ininterrupta, que teve largada em 1992, primeiro ano de existência do autódromo de lá. Corrida que observa números interessantes, como a façanha de Chico Longo e Daniel Serra em 2009, que completaram o percurso em menos de seis horas com sua Ferrari F430, ou ainda o recorde de 48 carros que formaram na reta principal, momentos antes da largada de 2006, uma das mais belas imagens da história do que já tentaram chamar de “Ayrtódromo” (o autódromo leva desde 1996 o nome de Ayrton Senna; o apelido, felizmente, não colou). Naquela corrida foram 36 os carros que resistiram às seis horas e meia de disputas, também um recorde. A 25ª edição das 500 Milhas, neste ano, vai acontecer no dia 26 de novembro, como sempre um sábado, largada no meio da tarde e chegada abrindo a festa que sempre irrompe madrugada adentro, normalmente comandada pelos vencedores. Estive presente a umas seis edições, o clima é sempre dos mais agradáveis. Neste ano, vou de novo. Talvez leve macacão e capacete.

Pessoal de São Paulo, com suas dez etapas anuais do campeonato estadual, não foge à regra. Mesmo tendo zilhões de categorias dividindo a programação de cada evento do Paulista com as atividades de track day que têm auxiliado no fechamento da conta – que não é pequena –, o pessoal já se prepara para um momento diferente. Vai ser em fevereiro, ainda não há dia definido. E só para carros da categoria Marcas & Pilotos 1.6, tal qual na Cascavel de Ouro. Aliás, em briefing recente do Paulista de Marcas, o Aldo Piedade Júnior anunciou aos pilotos a decisão de promoverem a corrida, que terá duração de oito horas, e citou o evento de Cascavel como exemplo de vários pontos técnicos e desportivos que serão adotados. “Lá dá certo, aqui também vai dar”, falou o Juninho. Os quatro pilotos cascavelenses que integravam o grupo ficamos orgulhosos.

Related Posts

Facebook Comments